Leia matéria sobre antologia “Geração Zero Zero”

A obra foi lançada pelo escritor, professor, ensaísta e crítico literário, Nelson de Oliveira. Ele participa do último encontro do Ave, Palavra, dia 1º de dezembro

por Fabio Victor

Sim, quem está atento à literatura brasileira já viu esse filme –uma antologia de novos prosadores, com uma etiqueta a despertar paixões nas rodas livreiras.

Repetindo o que fez há dez anos, quando inventou a chamada “geração 90”, o escritor, editor e agitador Nelson de Oliveira acaba de finalizar outra seleção de autores nacionais, surgidos na primeira década do século 21.

No primeiro semestre de 2011, virá à luz “Geração Zero Zero” (por extenso “para evitar que as pessoas digam ó ó”, segundo o antologista), pela editora Língua Geral.

Oliveira pinçou 21 nomes, de uma relação de 150. Para entrar no grupo original, bastava ter aparecido na última década e ter pelo menos dois livros já publicados.

O organizador então usou o arbítrio, e confia que, das sucessivas peneiradas, chegou aos 21 melhores ficcionistas do país no período.

O time tem média de 39 anos, predominância de paulistas (oito) e alguns nomes que já flertam com o “mainstream”, como Ana Paula Maia, Carola Saavedra, Daniel Galera, Lourenço Mutarelli, Santiago Nazarian e Veronica Stigger.

Há quem escreva há anos, mas só publicou recentemente, caso de José Rezende Jr., 51 (premiado no último Jabuti), Sidney Rocha, 45, e Flávio Viegas Amoreira, 45.

E há quem publique tanto no Brasil quanto fora, como Maria Alzira Brum Lemos, que transita pela América Latina e cuja prosa vigorosa já foi elogiada pelo espanhol Enrique Vila-Matas.

As narrativas do futuro livro, todas próximas do conto, serão inéditas, exceção feita às de Mutarelli, já publicadas num blog do autor.

QUE GERAÇÃO?

Como da primeira vez, agora há novamente margem para debates exaltados, pois permanece difuso/confuso o conceito de geração.

Dividida em dois livros (“Manuscritos de Computador”, de 2001, e “Os Transgressores”, de 2003, ambos pela Boitempo), a investida de Oliveira sobre a “geração 90” despertou paixões.

Por não haver entre os autores uma diretriz estética –apenas afinidades quanto à temática, urbana, periférica e realista– alguns viram ali um lance oportunista, puro golpe de marketing.

Os defensores saudaram a inquietude e a guerrilha de Oliveira como fundamentais para lançar nomes sem espaço no establishment.

Embora admita que de novo prevaleceu o recorte temporal e que “toda catalogação pressupõe certo grau de simplificação”, Oliveira enxerga uma afinidade entre os 21 da “geração zero zero”, no gosto pelo bizarro.

É algo de que mesmo alguns selecionados discordam, como Tony Monti, 31 (um dos caçulas da turma), que rejeita enfaticamente o rótulo de “geração” e para quem a afinidade programática com os outros “é zero”.

Fonte: Folha.com | Imagem: Veja

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s